Dúvidas sobre a arquitetura ARM da Apple e como isso irá influencias todo o mercado de computadores? Então respire fundo que nós vamos te ajudar!

Pela primeira vez em ambiente virtual (devido às políticas de isolamento social), a Apple realizou sua conferência anual para desenvolvedores, a WWDC 2020, nesta segunda-feira 22 de Junho.

Dentre os destaques apresentados, constam novas versões do iOS, iPad OS, Watch OS e uma nova versão do Mac OS (a mais inovadora desde o Mac OS X, de acordo com especialistas).

Dentre os destaques, o que mais chamou a atenção dos desenvolvedores, foi o anúncio da troca dos processadores Intel por processadores Apple Silicon na linha Mac. Estes novos processadores serão fabricados pela própria Apple com a arquitetura ARM (a mesma já presente nos iPads e iPhones).

Mas afinal, quais as reais vantagens da arquitetura ARM e como essa mudança de tecnologia dentro da Apple pode refletir em uma grande mudança em todo o mercado de tecnologia, desde fabricantes até desenvolvedores?

As vantagens da arquitetura ARM:

Performance

Em teste de benchmark, o iPad Pro e iPhone 11 alcançam resultados semelhantes aos de dispositivos com processadores Intel. É perceptível a alta qualidade e eficiência dos processadores nestes dispositivos, reflexo de um produto que tem tanto seu software quanto hardware desenvolvidos pela mesma empresa.

Os upgrades anuais de performance nos laptops da Apple circulam os 10%. Isso se deve à dependência de melhorias por parte de terceiros (no caso dos Mac, a Intel). No qual,  os prazos apertados para melhorias de software, nem sempre o oferecem o máximo potencial do hardware.

Com a troca por processadores ARM, a Apple conquista duas vitórias para o time de tecnologia: ter hardware e software desenvolvidos dentro da mesma empresa e ter processadores com maior eficiência, dispensando assim sistemas complexos de arrefecimento -o que pode refletir em uma redução nos custos-.

Bateria

Os processadores com arquitetura ARM tem como um de seus maiores destaque a eficiência no uso de energia. Dessa forma, praticamente todos os dispositivos móveis que utilizamos hoje em dia (com exceção de laptops) já usam a arquitetura para viabilizar uma duração aceitável da bateria. A linha Macbook que já se destaca pela duração de bateria, poderia alcançar 20 horas de duração de bateria.

Com processadores menores, que não necessitam de grandes sistemas de arrefecimento, mais espaço físico do notebook ficaria disponível para bateria. Dessa forma, melhorando o cenário para os usuários que não dispõe de tomadas a todo tempo.

Controle e Segurança

A instalação dos chips T1 e T2 da Apple, veio como um complemento aos processadores Intel, que possuem algumas falhas de segurança já conhecidas. Os chips de segurança complementam algumas funções, como por exemplo:

  • Controles de acesso;
  • Dispositivos de entrada (como microfone e câmera);
  • Controle de hardware com foco específico à segurança da informação.

Com a mudança e início da fabricação própria, o que pode acontecer é a união dos chips da série T aos núcleos principais dos computadores. Dessa forma, tornando o dispositivo mais seguro e sem a necessidade de espaço físico para um chip extra.

Preço

A Intel vem perdendo espaço para a AMD no mercado de desktops. Recentemente começou a ser substituída pela concorrente também no mercado de laptops (em alguns modelos da Lenovo e Asus por exemplo). A principal razão para esse cenário é óbvia: custo.

Com altos preços, e não sendo uma verdadeira vantagem adotar os processadores da AMD, é de se notar a vantagem para a Apple em fabricar seus próprios processadores. A arquitetura ARM custa menos para ser produzida, não precisa de arrefecimento potente e deixa a empresa independente do preço de terceiros para a construção de seus produtos.

Com esse corte nos custos de produção, um possível reflexo seria a redução do preço final do produto. Aumentando a base de usuários e impulsionando a transição de tecnologia por parte dos desenvolvedores.

Como a arquitetura ARM pode afetar o mercado de tecnologia?

Desde o design de produtos até a maneira como os desenvolvedores trabalham, a Apple sempre teve facilidade de ditar tendências para o mercado de tecnologia. Com uma provável redução de custos sendo repassada ao consumidor final, essa base de usuários comuns e desenvolvedores fiéis podem começar a migrar suas aplicações para as de nova arquitetura.

A ideia da empresa é que essa transição de tecnologia aconteça em um prazo de 2 anos. Sendo que já foi demonstrado o funcionamento do Adobe Photoshop (rodando com um arquivo de 5GB) e a execução do jogo Shadow Of Tomb Raider (já rodando na arquitetura ARM).

Dessa forma, esse tempo de transição, pode ser a porta para outras empresas assistirem a experiência da Apple e decidam adotar ou não a mudança.

Apps Multi-Plataforma

Com a unificação de arquitetura, os aplicativos que rodam no iPhone ou iPad, poderão rodar de maneira nativa no Mac OS e vice-versa. Grandes aplicativos como o pacote Adobe, poderão ser executados de maneira eficiente em um iPad Pro e apps como o Instagram, poderão rodar em sua versão completa no Mac OS.

Modelos de entrada

Vale lembrar que esta mudança está confirmada para a linha Macbook. Indicando assim que a linha Macbook Pro, iMacs e Mac Pro continuarão utilizando processadores Intel por enquanto.

A ideia é que a linha de entrada da marca (que hoje é representada pelo Macbook Air) tenha dispositivos mais potentes. Ou seja, com maior duração de bateria e mesmo assim sejam um computador completo (não um tablet ou smartphone).

Estas mudanças de arquitetura podem se refletir em outras marcas da mesma maneira: sendo aplicadas a princípio na linha de entrada de laptops.

Conclusão

Com a unificação de tecnologia entre dispositivos mobile e laptops, a Apple tenta unificar sua base fiel de desenvolvedores, facilitando a migração de arquitetura da linha de laptops.

Dessa forma, as mudanças abrangem a linha de entrada da marca. No entanto, se provada sua eficiência e a evolução da tecnologia proprietária se mostrar promissora, estas mudanças podem ser replicadas nos modelos top de linha.

A tendência é que concorrentes adotem esse modelo de arquitetura para modelos mais baratos. Sem perder necessariamente a eficiência de seus dispositivos. Dessa forma, tornando a arquitetura ARM cada vez mais presente no mercado de laptops.

 

Para mais informações sobre a mudança, vale consultar o site da própria marca: https://www.apple.com